O Desafio da Abnegação (João 3.30)

Um homem com um balde de água suja, foi até um poço onde não se podia ver a água no fundo por ser muito escuro. Seu mestre havia dito que ele poderia obter água limpa e fresca ali se confiasse em suas palavras e pela fé, jogasse sua água antiga fora. Chegando lá, ele jogou fora a água que tinha e desceu o balde enchendo-o de água nova, trazendo-o para cima novamente. O homem foi embora com a água limpa e fresca, feliz por ter confiado no mestre. 
Um outro homem, na mesma situação, foi instruído igualmente pelo mesmo mestre. Chegando lá e vendo que o poço era escuro e não podia ver se havia água lá embaixo, ficou com medo de perder a pouca água que tinha e não jogou fora sua água suja. Assim o segundo homem, foi embora por não querer confiar no mestre e triste por não conseguir a água limpa e fresca. Enquanto o conteúdo velho não for retirado, não haverá espaço para receber um novo. 

O texto nos chama a um desafio e a abnegação é a chave. Esse é o desafio: negar a si mesmo. João Batista, em João 3.30, entendeu muito bem o significado de abnegação ao declarar: Convém que Ele cresça e que eu diminua. Com essa afirmação João negou a sua fama e autoridade, enaltecendo a Jesus. John MacArthur comenta que ao invés de ciúme, João exibiu humilde fidelidade a superioridade da pessoa e do ministério de Jesus. Paulo disse em Gálatas 2.20, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida do apóstolo se resumia em Jesus Cristo; Ele era a sua razão de ser. Isso pode ser entendido quando em Filipenses 1:20, Paulo fala sobre Cristo ser engrandecido no corpo. Para que Ele seja magnificado, deve haver espaço para Ele em nós. O conflito se encontra quando o espaço exigido para que Ele seja enaltecido é total. Lucas 9.23-24 diz: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me. Porque, qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas qualquer que, por amor de mim, perder a sua vida, a salvará.
Portanto não seja como o homem que não confiou no mestre e persistiu em permanecer com a água suja. Seja como o primeiro homem que confiou e esvaziou o seu balde para que fosse cheio de água limpa e fresca. Lembre-se que Deus não irá encher alguém com Seu Espírito, se esse alguém já estiver cheio de si mesmo.  

Pense no que tem tomado o lugar de Deus na sua vida. O que deve ser esvaziado para que você seja cheio de algo novo. Livre-se de qualquer resquício de pecado. O ego e o orgulho irão cegar você e devem ser combatidos antes que seja tarde demais. 
Se possível, ore agora e peça a Deus que o ajude a se esvaziar do seu eu. Esvaziar das dores do passado e do presente, do orgulho, do ego e de tudo o que o impede de ser humilde como Cristo foi e de se humilhar como Ele fez.








Este artigo foi escrito por Daniel Aron Schmitt. O artigo foi escrito após seu ingresso no "Curso de Liderança e Discipulado" (CLD).

Nenhum comentário:

Postar um comentário