Namoro e noivado, o que?






                        







 Relacionamento Pré-matrimonial

Uma abordagem bíblica sobre o comportamento do cristão em sua caminhada na santidade
Os padrões estabelecidos pelo mundo hoje estão cada vez mais longes de serem uma boa referência para o cristão. O mundo é guiado pela sua própria verdade, baseada na construção de uma identidade moral deturpada e focada no homem e não no Criador do homem. Com isso vemos um desvio de conduta latente, iniciado na quebra de relacionamento com Deus, através do pecado, e que irá direcionar todas as instâncias cotidianas do ser humano, contemplando seu relacionamento com si próprio e com o próximo (Rm 1, Tg 1.14).
Tendo esse panorama da depravação total do homem, vemos que os relacionamentos entre um homem e uma mulher deveriam espelhar a santidade do Senhor, glorificando-o através de uma conduta condizente com a Palavra do Senhor, todavia, não é o que encontramos hoje (Mt 15.19, Rm 6.19). O padrão estabelecido pelo Senhor contempla o respeito, a honra, a dignidade e principalmente a exaltação ao nome de Deus, porém o homem, embebido em seus próprios desejos, procura honrar e satisfazer a si próprio não levando em conta que sua vida aqui nesta terra é passageira e dará conta de si perante o Senhor (Ef 5.15-17), tendo toda a eternidade pela frente (Rm 14.12).
Em um relacionamento pré-matrimonial é importante destacar que a interação entre um homem e uma mulher é mais que uma simples amizades e menos que um relacionamento conjugal. Isto se fundamenta no fato de ainda não terem publicamente e diante do Senhor firmado um compromisso de casamento, todavia existindo uma sinalização de que tal fato acontecerá em breve.
O casamento é uma benção de Deus, estabelecido no Éden, entre Adão e Eva (Gn 2.20-24) e que deve ser perpetuado até a consumação dos séculos. O casamento é um presente que deve ser desfrutado com toda a intensidade, entre um homem e uma mulher que, obedecendo a esses pré-requisitos, estão glorificando ao Senhor (Hb 13.4).

Mas vemos um desvio de conduta tão grande e tão antropocêntrico que não promove essa glória ao Senhor, mas busca a satisfação pessoal e passageira, não fazendo caso das consequências advindas dessas escolhas carnais, diabólicas ou mundanas. O homem busca preencher suas necessidades afetivas como um fim em si mesmo, e não como parte da adoração necessária ao Senhor. As conversas e o conhecer um ao outro em momentos de crescimento espiritual e da amizade são substituídos por relacionamentos inflamados e que contemplam toques e interações que antes do casamento constituem-se claramente como pecado, dada á ausência desse compromisso formal matrimonial (1Co 6.19,20; Rm 6.12,13; 1Co 5.1; 6.13; Gl 5.19).
O relacionamento pré-matrimonial é um período de conhecimento mais aprofundado entre o casal. Serão estabelecidas nesse período as metas e necessidades de ambos os futuros cônjuges quanto ao formar uma família. Deve-se promover antes de tudo o crescimento espiritual e um relacionamento Cristocêntrico, sabendo que a base de um relacionamento sólido e feliz é o Senhor. Glorificar á Deus é o princípio de tudo (1Co 10.31) e começando já no início do período de namoro e noivado, sendo da vontade de Deus o casamento, o matrimônio será um período de deleite, vivendo os frutos do “se guardar” e amar á Deus antes de todas as coisas (Mt 22.37).
A santidade deve ser o estilo de vida do homem e da mulher que guardam um compromisso pré-matrimonial (Ef 4.24). O respeito, a honra, o cuidado e o compromisso com a Palavra de Deus nesse período fortalecerão o relacionamento do casal e lhes outorgará um casamento saudável. Não pode-se cair no erro de acreditar que um casamento consertará todos os erros passados ou defeitos do cônjuge, mas levar á sério a santidade no relacionamento e caminhada pré-matrimonial irá abrir as portas para um derramar de bênçãos do Senhor, pois seu padrão foi observado e venerado. 
 Aluno – Daniel Camilo Dauaidar

Nenhum comentário:

Postar um comentário